E que família Deus Lhe Deu


Está chegando o dia do grande aniversário. Afinal, completar 2000 anos, não é para qualquer um. Jesus Cristo completa 2000 anos. E não pense que é qualquer festinha. Pelo contrário: são 20 séculos de entrega, de um Deus que soube aproveitar tudo o que o humano tem de melhor, para mostrar sua vontade de ser como a gente. Viveu como uma criança, na candura desta idade; teve uma mãe que era extremamente zelosa e, com certeza, vivia incomodando São José, na carpintaria, imitando o pai que Deus lhe deu por empréstimo.

E, mesmo que Ele não precisasse de nada disso, que família Deus Lhe deu!

Bastaria isso para que pudéssemos parar e observar, não a formalidade de um presépio com anjos, pastores, reis magos, cocheiras, animais; mas a doçura sublime de um Deus que quis ser família para mostrar que, ao passar a história, muitas dificuldades foram e são encontradas, mas resta um alento, um ânimo: a Sagrada Família de Nazaré, que serve como norte, indicador do que precisamos fazer para não cansar na caminhada.

E o que é mesmo que precisamos fazer?

Não é muito. Viver intensamente, como Jesus viveu. Dos 33 anos de sua curta vida, 30 foram dedicados à família. E este deve ter sido um tempo especial, porque os laços foram preservados com sua mãe (o pai faleceu cedo) e seus primos. Maria, a mulher capaz de saber o que o filho estava sentindo, desde que provocou seu primeiro milagre – a água transformada em vinho, num casamento – até enxugar sua última lágrima misturada com sangue, ao pé da cruz. E José, um homem sereno, que deve ter colocado Jesus, muitas vezes, na linha, já que sua energia era muito grande.

Neste Natal, Deus pede que vivamos. Que vivamos intensamente. Com a vontade de que os homens possam viver melhor, no que diz respeito ao convívio social, ao seu trabalho, à realização pessoal e espiritual.

A grande graça deste Natal vai estar em, indiferente a todos os apelos comerciais que possam vir pela televisão, rádio, papais noeis,  grandes queimas de fogos, possamos reservar muitos e muitos momentos, para apenas ficar com nossas famílias: a família do pai com os filhos; a família das nossas comunidades; a família daqueles com quem trabalhamos e estudamos. E quando isto acontecer, não será surpresa se um riso de criança puder ser ouvido, contente por ter deixado este sinal sobre a terra: Jesus, com José e Maria, fazendo o autêntico e delicioso Natal. O Natal da família.

Feliz Natal. Em Família. Com as bênçãos da Sagrada Família de Nazaré!