Literatura e jornalismo - de João do Rio aos anos 2000


Manoel Jesus[1]

Resumo: A partir da relação entre duas pesquisas realizadas, respectivamente, em 1904 e em 2004, este trabalho pretende demonstrar que no último século literatura e jornalismo tiveram encontros e desencontros, mas que existem elementos que os encaminham para uma maior proximidade, colaborando na construção dos respectivos processos narrativos.

Palavras-chave: literatura; jornalismo; narrativa.

Introdução:

Em 1904, João do Rio[2] resolveu entrevistar cem pessoas a respeito da relação entre literatura e jornalismo.  Das cinco questões colocadas, o autor julgou que uma delas era capital: “o jornalismo, especialmente no Brasil, é um fator bom ou mau para a arte literária?” Cristiane Costa[3], cem anos depois, em 2004, organizou um questionário semelhante que incluía a preocupação com o trabalho do escritor na imprensa e os elementos que aproximam e afastam um discurso do outro.

A lista de depoimentos impressiona, especialmente pelas declarações. Nelson Rodrigues[4], para quem a divisão entre texto jornalístico e literário era inviável, inconformado com as novas regras que proibiam os pontos de exclamação, as reticências e os adjetivos, “pregou nos copidesques o rótulo de idiotas da objetividade” (COSTA: 15).

Cristiane Costa documenta que, na virada do século XIX para o século XX, muitos escritores tinham, no jornalismo, a porta de entrada, “a divulgação e até a instância de consagração de seus nomes”. Foi o caso de Machado de Assis, Olavo Bilac, Euclides da Cunha, Coelho Neto, Lima Barreto, Monteiro Lobato, Graciliano Ramos, Érico Veríssimo, Jorge Amado, Oswald de Andrade e Carlos Drummond de Andrade, do primeiro time de nossa literatura, que encontraram um espaço inicial para a publicação nas páginas dos jornais da época.

Quando a pesquisa foi realizada já no início do século XXI, Silviano Santiago[5] classificou de caráter anfíbio a postura da literatura brasileira que, por um lado, tem como objetivo, a arte, regida pelos princípios da vanguarda estética, mas, por outro lado, busca, com recursos literários, denunciar problemas que afetam a vida das populações, no que acaba não se diferenciando do jornalismo. Reconhece que, na leitura do jornal, pode ser encontrada matéria prima para a ficção. Bernardo Carvalho[6] diz:

Para mim, a influência do jornalismo na literatura não tem nada a ver com a linguagem, mas com a experiência. O jornalismo permite entrar em contato com pessoas e situações sobre as quais você não faria a menor idéia se não fosse pelo pretexto da reportagem. Ele funciona como uma fonte de histórias e experiências. (COSTA, 2005: 179)

 Os autores entrevistados para compor a parte mais recente desta relação reconhecem que o jornalismo acaba disciplinando o profissional, que precisa da prática diária da escrita, exercício da clareza e da concisão e o contato com o mundo. Então, onde é que está o problema? Na verdade, se diz que a literatura vê na palavra uma portadora de significado, enquanto o jornalismo procura uma informação.

É o que se pretende analisar no presente trabalho: se a colaboração da literatura para com o jornalismo pode auxiliar no trabalho com o “significado”, tornando seu texto menos superficial, e, da mesma forma, se a “precisão” jornalística pode ser um bom exercício e auxiliar o texto literário a tornar seus devaneios mais compreensíveis por parte do leitor.

 1. Um namoro antigo

A relação entre jornalismo e literatura nasceu com a vinda da família real portuguesa para o Brasil, quando livros e jornais passaram a sair da mesma prensa. Ao menos até a segunda metade do século XX, o jornalismo estava profundamente relacionado com as belas artes, a ponto de Alceu Amoroso Lima[7] (1969: 74) o definir como “literatura sob pressão”, tendo em vista, também, que muitos jornalistas eram também ficcionistas e que, devido à ausência de mercado editorial forte, os escritores ali encontravam alternativas para seu sustento. Além disso, os jornais brasileiros seguiam o modelo francês de jornalismo, cuja técnica de redação era bastante próxima da literária. Os gêneros mais valorizados eram aqueles mais livres e opinativos, como a crônica, o artigo polêmico e o de fundo.

Mais ainda, os jornais acabavam funcionando como instrumento de divulgação da obra literária, pois era especialmente no folhetim que os leitores tomavam contato com autores e seus trabalhos. A imprensa era ainda essencialmente de opinião e a linguagem da maioria dos jornais era em geral agressiva e virulenta, marcada que estava pela paixão dos debates e das polêmicas. Deste período, ficaram as marcas de Balzac, Flaubert, Dickens, Machado de Assis e José de Alencar, que tiveram muitas de suas obras publicadas, primeiramente, nos espaços de rodapé das capas ou em páginas inteiras dos jornais da época, sendo disputados os parcos exemplares pelos poucos que podiam fazer a assinatura e, depois, lidos em saraus ou mesmo em grupos na rua. Nelson Rodrigues, assinando com o pseudônimo de Suzana Flag, foi um dos últimos folhetinescos, tendo publicado em capítulos Meu destino é pecar, no Jornal[8], que saltou de 3 mil para 30 mil exemplares diários. Este é um dos motivos pelos quais Amoroso Lima considera o jornalismo como um gênero literário.

O jornalismo é um gênero literário. Apresenta o traço diferencial da literatura em face da não-literatura, quando põe ênfase no estilo, como meio de expressão, distinguindo-se, pois, dentro do próprio jornalismo, em sentido lato, de tudo o que vem no jornal, na sua forma escrita, ou no estúdio, em sua forma oral. (LIMA, 1969:75)

Amoroso Lima entende literatura, gênero e jornalismo da seguinte maneira: literatura não se define como produto artístico, “sendo um tipo de construção estética determinada por um conjunto de disposições interiores em que se distribuem as obras segundo as suas afinidades intrínsecas e extrínsecas” (1969: 73). Para o autor, a relação entre literatura e jornalismo é muito íntima e uma das diferenças está no fato de na literatura a palavra ser um fim, enquanto no jornalismo ela tem o valor de meio. Essa afirmação é discutível, porque traz a idéia de uma literatura “pura” e mostra o jornalismo como gênero que dá à palavra um valor a mais, como se fosse possível separá-la de seu significado e, conseqüentemente, de sua mensagem.

Na metade do século XX, chegam as técnicas americanas que impuseram ao jornalismo noticioso restrições formais à linguagem e à estruturação do texto. O estilo passa a ser mais seco e forte. As regras de redação pretendem, supostamente, retirar do jornalismo noticioso qualquer caráter emotivo e participante. O que garante a impessoalidade (e o ocultamento do sujeito da enunciação). É um estilo direto, em que se prescinde, por exemplo, do uso de metáforas. Se, antes, o jornalismo havia sido o lugar do comentário sobre as questões sociais, da polêmica de idéias, das críticas mundanas e da produção literária, agora ele passa a ser o "espelho" da realidade. Vistos como emergindo naturalmente do mundo real, os acontecimentos, concebidos como notícia, seriam a unidade básica de construção dos jornais[9].

Ciro Marcondes Filho, em seu livro Comunicação e Jornalismo: a saga dos cães perdidos, mostra que há um quadro evolutivo de cinco épocas distintas na produção jornalística do Brasil. A pré-história do Jornalismo (1789 a 1830), quando surgem os primeiros livros e jornais, apresenta uma economia deficitária e comando de escritores, políticos e intelectuais. Na primeira época (1830 a 1900), “o conteúdo é literário e político, com textos críticos, economia deficitária e forma semelhante ao livro”, onde se destacam as presenças de José de Alencar, Machado de Assis, Olavo Bilac, Coelho Neto, Lima Barreto e João do Rio. Na segunda (1900 a 1950), começa a acontecer a modernização do parque gráfico e se dá a profissionalização dos jornalistas, com a criação da reportagem e da manchete, inserção de publicidade, consolidando a economia de empresa, estando presente Graciliano Ramos, Monteiro Lobato, Oswald de Andrade, Nelson Rodrigues, Carlos Drumond de Andrade, Jorge Amado e Érico Veríssimo. A terceira (1950 a 1980), é conhecida como “imprensa monopolista”. Surgem as grandes tiragens, grandes investimentos políticos e grupos editoriais, destacando-se a participação de Antônio Callado, Antônio Torres, Caio Fernando Abreu, Carlos Heitor Cony, Ferreira Gullar, José Louzeiro, Otto Lara Resende e Paulo Francis. A quarta, a partir de 1980, tem sua força no avanço da tecnologia, mudança “das funções do jornalista, muita velocidade na transmissão de informações, valorização do visual e crise da imprensa escrita” (2002: 11).

 2. Um novo tempo para a narrativa jornalística

No dizer de Marília Scalzo, jornalismo não é literatura, mas acredita que as técnicas literárias podem ajudar, e muito, um jornalista a escrever melhor. Cores, cheiros e descrições cabem no texto de revista. Apresentar os personagens, humanizar as histórias, dar o máximo de detalhes sobre elas, também. O jornalista, então, aprende técnicas de construção de personagens, de narrativas e descrição, fundamental para escrever reportagens (2004: 57).

Na narrativa literária, o conto costuma ser a forma mais curta; em jornalismo, a reportagem é a mais longa. Mas as duas formas muito se assemelham: pode-se dizer que a reportagem é o conto jornalístico - um modo especial de propiciar a personalização da informação ou aquilo que também se indica como “interesse humano”. Na literatura, o conto apresenta uma centelha, um momento, uma fatia temporal da existência de um personagem. No jornalismo - tanto no chamado livro-reportagem, quanto no jornal diário - a reportagem amplia a cobertura de um fato, assunto ou personalidade, revestindo-os de intensidade, sem a brevidade da “fôrma-notícia” (SODRÉ e FERRARETO, 75).

De qualquer modo, os críticos admitem que o atual jornalismo literário melhorou muito, ao introjetar, particularmente, a construção através de cenas, a escolha mais variada de perspectiva – angulação – o aproveitamento mais dinâmico do diálogo e das vozes dos personagens, o uso de detalhes significativos do ambiente. (LIMA, 157)

 3. Gêneros que já trabalham com elementos comuns

Os professores Muniz Sodré e Maria Helena Ferrari titulam um capítulo de seu livro Técnica de Reportagem – Notas sobre a Narrativa Jornalística, exatamente desta forma: “Namoros com a literatura” (1986: 75) e estudam a relação entre o gênero literário e o gênero jornalístico, utilizando a classificação que detalharemos a seguir.

Reportagem-conto - Não raro o repórter vai buscar no conto o modelo condutor de seus textos. Houve mesmo uma revista, Realidade[10], que usou e abusou desse recurso. A reportagem-conto começa por particularizar a ação: escolhe um personagem para ilustrar o tema que pretende desenvolver. A típica reportagem-conto tem uma estrutura mais orgânica. Geral­mente particulariza a ação em torno de um único personagem, que atua durante toda a narrativa Os dados documentais entram dissimulada­mente na história e o texto aproxima-se tanto do conto, que incorpora, até fluxos de consciência dos personagens.

A reportagem-crônica - A crônica se detém mais em situações fortuitas e flagrantes do cotidiano; a condução narrativa é, quase sempre, de caráter impressionista. O narrador numa posição observadora ou refle­xiva (é raro que se intrometa, por exemplo, em pensamentos de personagens). Não há propriamente um enredo, com princípio, meio e fim. O que estamos chamando de reportagem-crônica, portanto, tem caráter mais circunstancial e ambiental. Sendo pequena, não é notícia, nem tem a abrangência da grande reportagem. Chega perto da crítica social e da opinião velada.

Romance-reportagem - Surgiu no Brasil na década de 1970, inicialmente como título de uma coleção da editora Civilização Brasileira, pelo seu responsável, Ênio Silveira, e pretendia abranger um conjunto de livros baseados em episódios reais, tendo uma narrativa que adotava contornos ficcionais. No entanto, obras como O Caso Lou e Lúcio Flávio, o passageiro da agonia, de José Louzeiro (este último vendeu em quatro meses mais de dez mil exemplares) tornaram-se um sucesso, juntando-se ao fato de ser um espaço que não era controlado pela censura.

No dizer de Felipe Pena:

O autor não inventa nada. Ele se concentra nos fatos e na maneira literária de apresentá-los ao leitor. Trata-se do cruzamento da narrativa romanesca com a narrativa jornalística. O que significa manter o foco na realidade factual, apesar das estratégias ficcionais. (PENA, 2006: 103)

 

É importante destacar que, no romance-reportagem, há uma preocupação do autor em fazer pesquisas exaustivas, muitas entrevistas e ter como norte contar a verdade a respeito do assunto pesquisado. Nada escapa do crivo do provável.

O livro-reportagem - Usando a definição de Edvaldo Pereira Lima (1993: 07), livro-reportagem é um “veículo de comunicação jornalística não periódica. É um produto cultural contemporâneo”. Garante o autor que ele dá sobrevida aos temas tratados pelos jornais, pois pode penetrar em campos “desprezados ou superficialmente tratados pelos veículos jornalísticos periódicos, recuperando para o leitor a gratificante aventura da viagem pelo conhecimento da contemporaneidade”. Usado como capaz de reciclar a prática jornalística, este gênero incorpora contribuições conceituais e técnicas provenientes de áreas como a literatura, a história, a filosofia, a antropologia e a sociologia, pois, se por um lado, o jornalismo comunica o fato, o livro-reportagem pode chegar até a sugerir desdobramentos futuros, as conseqüências dos acontecimentos.

Em muitos aspectos, a atualidade de que trata a imprensa é efêmera, desliza rapidamente para o esquecimento, beirando a frivolidade. Apresenta-se então o desafio de transcender as concepções que norteiam o jornalismo atual e, no caso, assumir posturas experimentais em que se concretizem as tendências mais avançadas do conhecimento contemporâneo. No entanto, a pauta do livro-reportagem tem boas razões para fugir do que acontece no dia-a-dia, até por gozar de uma série de liberdade que não poderiam se dar na atuação diária. Entre as “liberdades” que podem se dar estão: de abrangência temática – pois não atendem ao que é perecível de um dia para o outro; de angulação - pois não está preso à linha editorial do veículo para o qual trabalha; de fontes – já que pode fugir das fontes chamadas de “consagradas” (aquelas que estão sempre em evidência e que são especialistas em determinados assuntos); temporal – já que livre da atualidade e podendo se debruçar sobre a contemporaneidade; e de propósito – buscando em diversos fatores (culturais, históricos, geográficos, econômicos, políticos, etc.) um patamar para compreender o tema abordado.

Novo Jornalismo - Os redatores de revista, assim como os primeiros romancistas, aprenderam por tentativa e erro algo que, hoje, os estudos acadêmicos demonstram: que o diálogo realista envolve o leitor mais completamente do que qualquer outro instrumento. Também situa e define o personagem mais rápida e efetivamente do que qualquer outro recurso.

O Novo Jornalismo se organizou muito mais movido pelo instinto do que em torno de uma teoria. Mesmo assim, ele recomenda o uso de quatro recursos básicos do gênero: a reconstrução da história cena a cena; o registro completo dos diálogos; a apresentação das cenas pelos pontos de vista de diferentes personagens e o registro de hábitos, roupas, gestos e outras características simbólicas do personagem.

 

4. Aproximação entre os dois gêneros

O professor Juremir Machado da Silva colaborou com um artigo na obra Jornalismo e Literatura – a Sedução da Palavra, onde diz que “o jornalismo encontra-se com a literatura quando toma consciência da carne e do silêncio das palavras”. Brincando com as palavras, flagra que “por trás do texto, escrito, há outro texto inscrito”. Quer salientar que escrever nunca é um ato apenas de fala, mas de um procedimento em que se eliminam barreiras para que o “não-dito” possa ser percebido. Com certa tristeza, reconhece que “o jornalismo quer dizer muito com pouca literatura” e “hoje, o fosso existente determina, cada vez mais, um desconhecimento pelo jornalista, da textura literária das palavras”. (CASTRO e GALEANO, 48)

No mesmo livro, Gustavo Castro reconhece que “o jornalista traz quotidianamente o mundo para dentro do texto escrito”. Mas não é só, pois não resiste em comparar com o escritor da literatura.

Para quem o movimento é inverso. O mundo exterior também é fundamental, mas não determinante como o é para o jornalista, já que o escritor pode buscar na sua própria subjetividade toda a sua literatura, fazer da memória a fonte da sua escritura, tornar eventos “pouco jornalísticos” significativos do ponto de vista humano e até mesmo fazer o jornalismo virar literatura. (CASTRO e GALEANO, 2005: 73)

 

Jornalismo Literário

O resultado desta aproximação entre jornalismo e literatura gerou um gênero híbrido: o Jornalismo Literário, que tem como preocupação incluir no primeiro elementos do segundo para que se harmonizem duas qualidades: a eficiência, cumprindo a tarefa de informar e orientar com profundidade, com a fluência narrativa, oferecendo a oportunidade de cumprir esta missão com ritmo narrativo e elegância.

A influência da literatura sobre o jornalismo não se dá apenas no aspecto estilístico, de escrita. E nem é coisa exclusivamente do passado. Também acontece no plano da captação, da observação do real. O melhor exemplo disso nasce de uma corrente literária que teve o nome de realismo social, cuja herança está atualmente presente em livros e em periódicos de tendência mais avançada da reportagem moderna, chamada de Jornalismo Literário, nos Estados Unidos, e Periodismo Informativo de Creación, na Espanha (LIMA, 1993: 44)

                 Historicamente, o jornalismo sempre foi considerado inferior em termos de domínio da arte de narrar por diversos motivos que vão desde a pressa na coleta de dados até o “dedline”[11]. Com a esperança de mudar esta lógica, muitas experiências foram feitas, inclusive de repórteres que se lançaram em campo aberto, nos cenários sobre os quais escreviam, para sentir a realidade não apenas no recorte de um momento, mas também no que tinha de subjetividade e imaterialidade. Foi um tempo rico em experiências em que jornalistas viveram em meio a mendigos, favelados, retirantes, sem-terra, frentes de batalha e outras áreas, para contar, do próprio palco dos acontecimentos, o que estava acontecendo, buscando um realismo e compreensão impossível de serem alcançados na cobertura do dia-a-dia.

Como características fortes, o Jornalismo Literário busca no realismo social o recurso do ponto de vista, em que a narrativa acontece da perspectiva de alguém que participa, testemunha ou vê. O jornalista não é mais onisciente e pode narrar tanto na primeira quanto na terceira pessoa do singular. “O repórter não tem pudor em revelar suas impressões. Sua subjetividade é tão válida quanto a suposta ‘objetividade que a imprensa convencional tanto preza, mas que sabemos não existir” (LIMA, 49).

Afrontando o que é convencional nos Manuais de Redação, o Jornalismo Literário se propõe a fazer alguns experimentos em que utiliza elementos da narrativa literária para enriquecer a narrativa jornalística. Mais ainda, valorizam-se os diálogos e a construção cena-a-cena, o primeiro marcando ritmo para o texto, sendo usado de forma natural, sempre que forem significativos para que se compreenda o tema. Já a construção de cenas faz com que a reportagem seja lida como algo presente, em que o efeito desejado é que os desdobramentos do ato se dêem quando o leitor toma contato com o texto.

No depoimento que Zuenir Ventura deu a Cristiane Costa para o livro Pena de Aluguel, afirma que, ao finalizar seu livro 1968: o ano que não terminou, ouviu muitos críticos elogiarem dizendo que parecia um romance. No entanto, em depoimento posterior, afirmou que usou de muitos recursos literários, mas que “não foi nenhuma apropriação indébita. Nada naquele livro foi inventado, tudo pode ser checado” (COSTA, 302).

 Conclusão

Quem pensa que a discussão iniciada por João do Rio está encerrada engana-se redondamente. Possivelmente, cem anos seja um espaço muito pequeno para que se tenha apenas uma resposta. O que já é suficiente para perguntarmos: e quem disse que precisamos apenas de uma resposta? Jornalismo e literatura não são ciências exatas. Para muitos, sequer deveriam ser consideradas ciências.

Isso valoriza cada vez mais aqueles que, sabedores do que é básico nos manuais de redação em jornalismo, são capazes de levar estudantes das duas áreas a alçar vôos em que, servindo-se da observação, da sensibilidade e da acuidade em tratar a informação, tomem o leitor por parâmetro, sabendo que é ele o real motivo da construção de qualquer texto.

Do que aqui foi apresentado, fica a forte impressão de que, vencidas algumas resistências, um novo texto é possível. Exemplos como do Novo Jornalismo, Jornalismo Literário e livro-reportagem empolgam por sua capacidade de indicar caminhos para um texto que, embora ainda restrito a poucos, poderia ser mais “saboroso” e elegante se utilizasse os elementos advindos de outras áreas do conhecimento humano.

 

Referências

CASTRO, Gustavo de; GALENO, Alex (org.). Jornalismo e Literatura – a Sedução da Palavra. São Paulo: Escrituras, 2005.

BAHIA, Juarez. Jornal, História e Técnica – as técnicas do jornalismo. São Paulo:

Ática, 1990.

COIMBRA, Oswaldo. O Texto da Reportagem Impressa. São Paulo: Editora Ática, 1993.

COSTA, Cristiane. Pena de Aluguel. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

FERRARI, M. Helena; SODRÉ, Muniz Técnicas de Reportagem – notas sobre a

narrativa  jornalística. São Paulo: Summus, 1986.

MARCONDES FILHO, Ciro. Comunicação e jornalismo. A saga dos cães perdidos. 2ª ed. São Paulo: Hacker Editores, 2002.

LIMA, Alceu de Amoroso. O jornalismo como gênero literário. 2ª ed. Rio de Janeiro: Agir, 1969.

LIMA, Edvaldo Pereira. Páginas Ampliadas – O livro-reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1995.

LIMA, Edvaldo Pereira. Livro-reportagem. São Paulo: Editora Brasiliense, 1998.

MEDINA, Cremilda. Notícia – um Produto à Venda. São Paulo: Summus Editorial, 1988, 2ª ed.

PENA, Felipe. Jornalismo Literário. São Paulo: Contexto, 2006.

SCALZO, Marília. Jornalismo de Revista. São Paulo: Contexto, 2004, 2ª ed.

SODRÉ, Muniz e FERRARI, Maria Helena. Técnica de Reportagem – Notas sobre a narrativa jornalística. São Paulo: Summus Editorial, 1986.


[1] Manoel Jesus Soares da Silva. Mestre em Desenvolvimento Social e mestrando em Letras pela UCPel. Professor da Escola de Comunicação da UCPel. Membro da Academia Sul Brasileira de Letras.

[2] João do Rio, pseudônimo de João Paulo Emílio Cristóvão dos Santos Coelho Barreto, (Rio de Janeiro, 5 de agosto de 1881 — 23 de junho de 1921) foi jornalista, cronista, tradutor e teatrólogo brasileiro. Ocupou a cadeira 26 da Academia Brasileira de Letras, para a qual foi eleito em 7 de maio de 1910.

[3] Cristiane Costa, professora universitária, doutora em Cultura e Comunicação pela UFRJ, editora da revista Nossa História e do Portal Literal,

[4] Nelson Rodrigues nasceu da cidade do Recife-PE, em 23 de agosto de 1912, trabalhou como repórter e colunista no Correio da Manhã, do Rio de Janeiro. Escreveu para o teatro e para a Rede Globo a primeira novela brasileira: "A morte sem espelho". Faleceu em 1980. 

[5] Romancista, contista, poeta, crítico literário e professor, nasceu em Formiga (MG) e mora no Rio (RJ). Três vezes vencedor do Prêmio Jabuti. Com Histórias mal contadas foi o segundo classificado na categoria conto/crônica do Prêmio Jabuti de 2006.

[6] Rio de Janeiro, 1960 - é escritor e jornalista. Foi editor do suplemento de ensaios “Folhetim” e correspondente da Folha de São Paulo em Paris e Nova Iorque. Teve o seu livro Mongólia distinguido com o prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte, edição 2003, na categoria romance.

[7] Alceu Amoroso Lima (Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 1893 — Petrópolis, 14 de agosto de 1983) foi crítico literário, professor, pensador, escritor e líder católico brasileiro. Adotou o pseudônimo de Tristão de Ataíde.

[8] Foi um dos principais jornais do grupo Diários Associados, que publicou a obra de Nelson Gonçalves em 1944.

[9] Jornalismo, literatura e política: a modernização da imprensa carioca nos anos 1950. Ana Paula Goulart Ribeiro – acessado em 8 de março de 2007 - Internet

[10] Criada por Roberto Civita, em 1966, e desaparecida em 1976 – considerada a antecessora da revista Veja.

[11] A hora mortal do fechamento de uma edição de jornal ou revista.