O escrito e o lembrado


Escrevo teu nome no chão

na certeza de que

o vento

e o tempo

haverão de varrer-te

para que sejas apenas lembrança.

 

E sei que também

terás passado por mim.

Como quem veio com o vento,

como quem se foi com o tempo.

 

E brincaremos com as lembranças,

na incerteza do que foi escrito

e do que foi lembrado.