Uma agenda positiva


A passagem do papa Bento XVI pelo Brasil deixou muitos elementos para serem analisados, mas um, em especial, merece destaque: a agenda positiva que pautou a preparação dos meios de comunicação, no que se refere à atuação da Igreja Católica no país. Embora o foco fosse a “orientação doutrinária”: a palavra do papa em seus diversos discursos, reafirmando o legado da fé; as discussões dos bispos brasileiros em seu encontro anual; e o posicionamento do episcopado latino americano em Aparecida, o que antecedeu foi uma autêntica “varredura”, evidenciando uma “cara” da Igreja que é, na verdade, a autêntica Igreja! Destaco, ao menos, três pontos:

- Grupos de jovens que existem por todo o Brasil, onde é estimulado o convívio social, a vivência da fé, o aprendizado da liderança e a consciência da necessidade da partilha com aqueles que se encontram em situação de carência. Eles existem aos milhares e servem de foco irradiador para dar sentido à vida de jovens, hoje, tão desesperançados.

- A pastoral da criança, que já reduziu a desnutrição e a mortalidade infantil - uma das nossas muitas chagas, já que não éramos capazes de dar a elas um dos direitos mais elementares: o da vida. Mesmo que a Igreja ainda tenha que discutir e auxiliar na implantação de projetos de planejamento familiar, que, além da vida, dê às crianças o direito a uma subsistência que contemple a sua plena realização.

- O trabalho e atendimento à terceira idade. Fiquei pasmo, pois ao fechar os olhos diante de algumas cenas ouvia o próprio Jesus dizendo: “levanta-te e anda!” Já que muitos dos que se sacrificaram para estar em lugares por onde o papa passou já são, em si, um milagre de Deus! Lá estavam – lépidos e fagueiros – com um entusiasmo contagiante e uma fé capaz de remover montanhas!

Enfim, das atividades sociais às vivências espirituais, mostraram uma Igreja que pode não ter os números exagerados das pesquisas, mas é uma realidade e uma referência que não podem ser negadas ou desprezadas entre a população, onde a grande maioria quer apenas ser feliz e viver em paz.

Tomara que esta tenha sido a mensagem que Bento XVI levou de volta ao Vaticano, pois sua passagem pelo Brasil foi um saudável incentivo e uma bela pauta, até mesmo para os mais céticos. Em tempos tão conturbados, ações positivas existem, pena é que, muitas vezes, fiquem relegadas a um segundo plano, esquecidas em meio ao espetáculo e aos fatos negativos.