Uma imagem que fustiga o tempo


O vento balançava a janela.

Cada vez com mais força.

Marcando-a com grossos

Pingos de chuva.

Em algum lugar,

Passa um uivo que sibila

Em meus ouvidos

E me faz tremer

Com o frio do desespero.

Da rua, apenas

A moldura das árvores

Que se dobram,

Fustigadas pelo mau tempo.

Dias frios, dias de chuva

Que destilam a tristeza,

Desanimam plantas, animais.

E mesmo o homem.

Porque será que demora tanto

a chegar a Primavera?